sexta-feira, outubro 29

 

Alberto quer, João vai ter…


Alberto João exigiu a José Manuel a autonomização dos serviços de finanças da Região Autónoma da Madeira. Assim sendo, o último conselho de ministros presidido por Durão Barroso aprovou de supetão a regionalização do «fisco» da Madeira. Tanta correria haveria de dar mau resultado: o Governo esqueceu-se de «ouvir» os sindicatos.

O actual governo supriu esse lapso e, brevemente, os serviços de finanças da Madeira deixam de estar integrados na DGCI e acolhem-se sob o manto protector de Alberto João.


Em todo o caso, é bom que se saiba:

a) A fiscalização das pessoas e das sociedades comerciais com domicílio fiscal na Madeira, incluindo as que se encontram abrigadas na Zona Franca do Funchal, passa a ser exclusivamente decidida por entidades que dependem da Quinta Vigia (ou Quinta das Angústias, como era conhecida antes de ser adquirida pelo Governo Regional);
b) Tendo em conta as taxas praticadas no arquipélago (devido aos «custos da insularidade»), poderá ser um bom negócio mudar a residência para a Ponta do Sol.

As recentes intromissões de Jardim na actividade da Polícia Judiciária dão uma ideia de como vão funcionar os serviços de finanças sob a batuta do Governo Regional. Jaime Ramos, um emérito fiscalista, estará seguramente à altura de conduzir os destinos dos serviços regionais de finanças. O Governo Regional não corre riscos: o Orçamento do Estado há-de continuar a cobrir, de uma forma ou de outra, os sucessivos défices da Região Autónoma.

Comments:
Porque diabo não lhe entregam tudo duma vez!
Ao menos viamo-nos livres desse cromo.
Independencia para a Madeira já!!!
 
Enviar um comentário

<< Home

This page is powered by Blogger. Isn't yours?